Apresentação da disciplina Gestão do Território Universitário para a Sustentabilidade

0

Apresentação da disciplina Gestão do Território Universitário para a Sustentabilidade

Professora Responsável: Emília Wanda Rutkowski [emilia@fec.unicamp.br]

1. EMENTA

Universidades sustentáveis. Campus ou cidade universitária. Experiências de gestão universitária para a sustentabilidade

2. JUSTIFICATIVA

As instituições de ensino superior formam os profissionais que regem as instituições, as empresas e a gestão dos recursos naturais. As universidades, como o berço de conhecimento destes, deveriam incorporar em suas práticas operacionais, práticas de sustentabilidade. As universidades podem atuar como instrumentos de sensibilização e como fonte disseminadora de práticas sustentáveis, tanto para sua comunidade quanto para a sociedade em geral. A disciplina visa discutir a gestão do território universitário para a sustentabilidade.

3. OBJETIVOS

– Apresentar a trajetória da construção do conceito de sustentabilidade socioambiental;

– Definir campus e cidade universitária;

– Discutir a dimensão sustentabilidade dentro da universidade;

– Analisar exemplos de gestão universitária para a sustentabilidade

4. METODOLOGIA

A proposta das atividades da disciplina pretende levantar o questionamento do conceito de universidade sustentável e entender os meios possíveis para atingi-lo. Para atingir o objetivo do curso serão realizadas as seguintes atividades pedagógicas:

Diálogos: prática fundamental no processo de aquisição crítica de conhecimento. Os diálogos acontecerão durante as aulas expositivas com o objetivo de alterar sua dinâmica, estimulando na troca de conhecimento o exercício da análise crítica do conteúdo pelos estudantes, para que construam coletivamente seus saberes e desenvolvam postura crítica frente aos conhecimentos e crenças existentes. As referências prévias são estimuladas durante a aula expositiva, bem como o debate sobre os diversos assuntos apresentados em cada aula.

Leituras: leitura de diferentes materiais científicos ou de disseminação de práticas de universidades sustentáveis permitirão o entendimento pela classe da conjuntura atual do tema.

Debates com profissionais da área.

Trabalho em grupo: analisar exemplos de diversas universidades e extrair deles premissas, diretrizes e indicadores fundamentais para a consolidação de um processo de gestão.

5. BIBLIOGRAFIA 

BARTH, M., GODEMANN, J., RIECKMANN, M., & STOLTENBERG, U. (2007). Developing Key Competencies for Sustainable Development in Higher Education. International Journal of Sustainability in Higher Education, 8(4), 416–430.

CADEP – La comisión sectorial de la CRUE para la Calidad ambiental, el Desarrollo sostenible y la Prevención de riesgos: Evaluación de las políticas universitarias de sostenibilidad como facilitadoras para el desarrollo de los campus de excelência. 2011.

CLUGSTON, R. M.; CALDER, W., 1999. Critical Dimensions of Sustainability in Higher Education. In Sustainability and University Life, Walter Leal Filho ed., published by Peter Lang © 1999.

CUNHA, L.H. DA “TRAGÉDIA DOS COMUNS” À ECOLOGIA POLÍTICA: PERSPECTIVAS ANALÍTICAS PARA O MANEJO COMUNITÁRIO DOS RECURSOS NATURAIS. Raízes. Vol. 23, Nos 1 e 2. 2005.

EVANS, J. et al, 2010. Living labs and co-production: university campuses as platforms for sustainability science in H. Bulkeley, V. Castán Broto, M. Hodson, and S. Marvin (eds) Cities and Low Carbon Transitions, London: Routledge. LIVING LABORATORIES FOR SUSTAINABILITY: EXPLORING THE POLITICS AND EPISTEMOLOGY OF URBAN TRANSITION. Current Opinion in Environmental Sustainability 2015, 16:1–6

KRUGER et al, Effective and Sustainable University – School Partnerships – Beyond determined efforts by inspired individuals. Canberra: Teaching Australia. 2009. 108pp

LARSEN, C.; WALSH, C. E PARRY, D. The role of students as change agents in identifying perceived barriers and gateways to achieving sustainability at a UK university. Celebrating Geographical Diversity: Proceedings of the HERODOT Conference. Ayvalik, Turkey 28-31 May 2009

LOZANO, R. 2006. A tool for a Graphical Assessment of Sustainability in Universities (GASU). Journal of Cleaner Production 14 (2006) 963e972

LOZANO, R. 2006. Incorporation and institutionalization of SD into universities: breaking through barriers to change. Journal of Cleaner Production 14. 787e796.

LUKMAN, R. E GLAVICˇ, P. What are the key elements of a sustainable university? Clean Techn Environ Policy (2007) 9:103–114 Osmond, P; Dave, M.; Prasad, D. & Li, F. Greening Universities Toolkit: Transforming universities into green and sustainable campuses. UNEP. 2013. 54pp

RUSCHEINSKY, GUERRA, FIGUEIREDO, LEME, RANIERI, DELITTI. São Carlos : EESC/USP, 2014. Ambientalização nas instituições de educação superior no Brasil : caminhos trilhados, desafios e possibilidades.

Simpósio Políticas Públicas de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis – municípios, escolas e instituições de educação superior que educam para a sustentabilidade socioambiental (2014: Piracicaba) Realização Laboratório de Educação e Política Ambiental – São Carlos: Diagrama Editorial, 2014, 401p.

SONETTI, LOMBARDI e CHELLERI. True Green and Sustainable University Campuses? Toward a Clusters Approach. Sustainability 8,83. 2016.

VELAZQUEZ, L , MUNGUIA, N. PLATT, A. & TADDEI, J. Sustainable university: what can be the matter? Journal of Cleaner Production 14. 2006. VIEBAHN, P. An environmental management model for universities: from environmental guidelines to staff involvement. Journal of Cleaner Production 10. 2002.

VISÕES E EXPERIÊNCIAS IBERO-AMERICANAS DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES DESDOBRAMENTOS DO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE NA UNIVERSIDADE (17 A 19 NOVEMBRO DE 2011, SÃO CARLOS, SP, BRASIL)

WEBER, L.E; DUDERSTADT, J.J. GLOBAL SUSTAINABILITY AND THE RESPONSIBILITIES OF UNIVERSITIES. ECONOMICA Glion Colloquium Series No 8

Leitura Complementar:

HARDIN, G. The tragedy of the commons. In: Daly (ed.), Econ Ecol Ethics. San Francisco: W. H. Freeman, 1980.

MEBRATU, D. Sustainability and sustainable development: historical and conceptual review. ENVIRON IMPACT ASSES REV 18:493–520.1998. Ministério de Meio Ambiente (2002) – Avaliação Ambiental Estratégica. MMA, Brasília, 91 p.

MITCHAM, C. The concept of sustainable development: its origins and ambivalence. Technology In Somy, Vol. 17, No. 3. pp. 31 l-326. 1995.

MOCKUS, A. Building “Citizenship Culture” in Bogotá. Journal of International Affairs, Spring/Summer. Vol. 65, No. 2, 2012.

PARTIDÁRIO, M. R., 1998 – Avaliação Ambiental Estratégica, Curso Pré-Encontro – VII Encontro Anual da Seção Brasileira da IAIA, Rio de Janeiro.

SÁNCHEZ, L. E. . Os rumos da avaliação ambiental estratégica. Jornal da USP, São Paulo, p. 12 – 12, 08 dez. 2008.

SÁNCHEZ, L E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Debate Rumos da Avaliação Ambiental Estratégica no Brasil. IEA, 09.12.08 – http://www.revistaestudosavancados.usp.br/iea/aaeartigo.pdf

VAN BELLEN, H M. Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. 2002. 250f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, 2002.

Compartilhe

Deixe seu Comentário